h1

05/06/2009

Anúncios
h1

Simone Weil

05/06/2009

      Simone Weil argumentou que o capitalismo estatal, centralizado e burocrático da Rússia, era em todos os seus principais aspectos, indistinguível do programa fascista;

“Estamos realmente a caminho de uma revolução proletária?” ela disse.

      Filósofa Militante Weil trabalhou na linha de montagem de carros da Renault acabou adoecendo e com isso acabou entendendo o porque dos trabalhadores se acomodarem e disse: “A exaustão me fez esquecer finalmente as verdadeiras razões pelas quais estou na fábrica; ela faz quase invencível a tentação que esta vida traz consigo: não mais pensar”.Ela descobriu que a opressão não resulta em rebelião, mas em obediência e apatia – e até mesmo na internalização dos valores do opressor.Mas com essa experiência ela concluiu que a superautomação transforma o trabalhador,”As máquinas fazem o papel de homens e os homens fazem o papel de máquinas”em sua visão ela queria que o seu operador reconhecesse certos limites físicos do que pode e do que não pode ser feito.

      Depois de sua recuperação, ela fez um último esforço para compilar suas idéias sobre a tão sonhada “sociedade sem opressão” cria o livro “A Necessidade de Raízes” em que diz  “A política deve ser algo mais do que impor uma ideologia sobre a tática particular de um grupo social que queremos levar adiante, conclui Simone. Deveria ser uma reflexão inteligente sobre a realidade, conduzida por pensadores profundos.”

                “Attention is a rarest and purest form of generosity”-Simone Weil

                          (A Atenção é a forma mais rara de pureza e generosidade)

h1

A Padronização do Homem.

06/05/2009

O mundo está sempre evoluindo com o passar dos anos e isso faz com que os países sejam obrigados a se industrializar cada vez mais, criando um fetichismo tecnológico para ampliar o poder de um país.

A melhor tecnologia criada e muito usada para controlar a própria criação da cultura foi proveniente dos meios de comunicação em massa que conhecemos até hoje, e que ainda interfere no comportamento do ser humano, tornando o homem escravo de sua própria tecnologia e padronizando-o de um modo superficial de existência.

h1

Indústria Cultural-Adorno.

01/05/2009

Na Indústria Cultural, tudo se torna negócio. Enquanto negócios, seus fins comerciais são realizados por meio de sistemática e programada exploração de bens considerados culturais. Um exemplo disso é o cinema. O que antes era um mecanismo de lazeradorno3, ou seja, uma arte, agora se tornou um meio eficaz de manipulação. Portanto, podemos dizer que a Indústria Cultural traz consigo todos os elementos característicos do mundo industrial moderno e nele exerce um papel especifico, qual seja o de portadora da ideologia dominante, a qual outorga sentido a todo o sistema.

É importante salientar que o homem, não passa de mero instrumento de trabalho e de consumo, ou seja, objeto. O homem é tão bem manipulado e ideologizado que até mesmo o seu lazer se torna uma extensão do trabalho. Portanto, o homem ganha um coração-máquina. Tudo que ele fará, fará segundo o seu coração-máquina, isto é, segundo a ideologia dominante.

A grande força da Indústria Cultural se verifica em proporcionar ao homem necessidades. Mas, não aquelas necessidades básicas para se viver dignamente (casa, comida, lazer, educação, e assim por diante) e, sim, as necessidades do sistema vigente (consumir incessantemente). Com isso, o consumidor viverá sempre insatisfeito, querendo, constantemente, consumir e o campo de consumo se torna cada vez maior.

Na Teoria Estética, Adorno tentará explanar seus pensamentos sobre a salvação do homem, dirá que não adiante combater o mal com o próprio mal. Segundo ele, a antítese mais viável da sociedade selvagem é a arte. A arte, para ele, é que liberta o homem das amarras dos sistemas e o coloca com um ser autônomo, e, portanto, um ser humano. Enquanto para a Indústria Cultural o homem é mero objeto de trabalho e consumo, na arte é um ser livre para pensar, sentir e agir. A arte é como se fosse algo perfeito diante da realidade imperfeita. Além disso, para Adorno, a Indústria Cultural não pode ser pensada de maneira absoluta: ela possui uma origem histórica e, portanto pode desaparecer.

h1

Movimentos Feministas dos anos 60-70

24/04/2009

418594O Movimento feminista foi à entrada em massa da mulher no mercado de trabalho, incentivada pelo capitalismo, baseando-se na filosofia e na sociologia, deixando de ser uma mulher, que apenas servia ao marido e cuidava da casa e dos filhos. Outro fator importante foi a expansão da educação superior, com isso as mulheres se uniam em sociedade, para discutir a sua liberdade e direitos. Com isso surgiu a desestruturação da família tradicional, pois as mulheres deixavam de dar atenção ao marido e aos filhos. Algumas conquistas podem ser registradas como conseqüência da participação da mulher nesta revolução, como o divórcio. Afirmam que sua luta não tem por objetivo destruir tradições ou a família, mas alterar a concepção de que “lugar de mulher é em casa, cuidando dos filhos”. O compromisso dos movimentos feministas é pôr fim à dominação masculina e à estrutura patriarcal. Com isso, acreditam, garantirão a igualdade de direitos sem, contudo, assumir o espaço dos homens.

h1

Tecnologia Bélica – Messerschmitt Me 163 Komet

17/04/2009

O Messerschmitt Me 163 Komet foi colocado em operação em meados de 1944, em resposta aos constantes bombardeios sofridos pelo III Reich, que a essa altura do conflito já se achava severamente comprometido. Tratava-se de um “avião-foguete” como o Bachem Ba 349 Natter. O avião, inicialmente concebido como um avião interceptador local, foi projetado por Alexander Lippischblog. Testado como um planador, desprovido de profundor de cauda, foi posteriormente equipado com um motor foguete durante sua fase de desenvolvimento. O motor utilizava um propelente resultante da mistura de dois componentes fortemente reativos, os quais causaram uma série de acidentes que quase inviabilizaram o projeto. Uma operação especial e extremamente controlada era necessária cada vez que o aparelho era abastecido. Os dois caminhões tanques, claramente identificados, cada um com um dos reagentes, se aproximavam da aeronave em momentos diferentes, sendo o piso e o avião lavados entre um abastecimento e outro. O avião, então abastecido, decolava a uma espantosa velocidade, atingia rapidamente altitude e mergulhava sobre os bombardeiros. Como sua autonomia era muito pequena, cerca de oito minutos, o voo prosseguia, após os ataques, como um vôo planado, momento em que se tornava um alvo fácil. Seu pesado armamento podia abater um B-17 com apenas três disparos, no entanto sua velocidade de aproximação era por demais elevada causando dificuldades operacionais aos pilotos, não acostumados a esse desempenho, ainda mais que os pilotos na maioria devido as baixas da Luftwaffe, eram de jovens e pouco treinados. Era um avião extremamente instável mas de concepções inovadoras. A despeito de sua extrema performance apenas 16 bombardeiros foram abatidos por essa aeronave, sendo este um resultado insignificante frente a situação a que se achava a Alemanha ao final do conflito. É interessante observar que ao final da guerra exemplares deste avião cairam nas mãos dos aliados, sende este projeto, ou alguns de seus conceitos, utilizados para o projeto “X”, cujo aparelho X-1, sob comando de Charles “Chuck” Yeager foi o primeiro aparelho a quebrar a barreira do som no dia 14 de outubro de 1947.

h1

Informatização Educativa

23/03/2009

A tecnologia avança cada dia mais, e com ela a informação fica muito mais acessível seja por televisão, rádio ou via internet.

Um ponto muito positivo é a informatização educativa, pois ela quebra as barreiras da informação e aprendizagem. A presença de computadores nas escolas já se tornou algo essencial, ela ajuda muito a melhorar as relações de ensino e aprendizagem dos alunos juntamente com as técnicas e o planejamento do educador que mais influenciará o resultado ao processo de ensino e aprendizagem.